News

Evento reúne governador, filósofo internacional e comunidade em debate no Morro da Cruz

A Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Morro da Cruz recebeu, nesta quarta-feira, uma roda de conversa entre o governo Eduardo Leite, o filósofo político norte-americano Michael Sandel, e representantes da comunidade local e de outras periferias de Porto Alegre, como Cruzeiro, Mário Quintana e região das Ilhas. O evento, com apoio do Consulado-Geral dos Estados Unidos na Capital, integrou a programação preparatória para o 2º Congresso Popular de Educação para a Cidadania (CPEC).

“Estou aqui para escutá-los e para aprender com vocês”, disse Sandel aos líderes comunitários. “É uma oportunidade para ouvir um pensador como Michael Sandel e ouvir também a sabedoria popular”, declarou o governador, antes do início da roda de conversa.

“Receber um evento como esse, com autoridades tão importantes vindo conversar em rodas com a comunidade, com as mães, com as associações, com a escola, é de uma potência gigantesca”, avaliou a vice-diretora da EMEF Morro da Cruz, Daniela da Rosa.

Com o tema “Importância do engajamento social entre diferentes setores da sociedade”, o grupo foi motivado, por perguntas de Sandel sobre as prioridades de luta, a expor a realidade das periferias da Capital. “A gente tem que começar a ser enxergado, ouvido. Porque é muito importante saber o que a gente pensa e o que a gente passa”, disse Patricia Rodrigues, do Morro da Cruz.

Os representantes das comunidades se revezaram expondo as dificuldades que enfrentam diariamente, com a união popular e projetos sociais, como a fome, a falta de estrutura escolar, a falta de segurança, o racismo e outros tipos de desigualdades. O governador afirmou que estava ali como cidadão, além de seu cargo, e que tem interesse em estreitar o diálogo com a população. 

Durante a conversa, uma série de reclamações foi feita sobre a falta de investimentos e de atenção do governo às periferias. “O que nós precisamos é de mais políticas públicas voltadas para a área de educação das nossas periferias”, cobrou Nira Martins Pereira, do Coletivo Autônomo Morro da Cruz. No Mário Quintana, a cobrança foi pelo “bolsão de miséria” em meio aos novos empreendimentos construídos. Na região das Ilhas, foi cobrada atenção às famílias impactadas por obras como a da ponte do Guaíba. Leite disse que não consegue resolver todos os problemas e que herda reclamações de problemas de gestões anteriores.


O filósofo norte-americano destacou, ao final da conversa, as soluções encontradas pela população para os problemas. “Pelo que eu escutei, as periferias, além de terem muitas necessidades que não foram satisfeitas, também têm algo para ensinar ao Brasil inteiro sobre comunidade, democracia e cidadania”, afirmou Sandel.



Source link