Lifestyle

o que é e o que pode ser feito?

A neurite intercostal na gravidez é uma condição pouco frequente, mas sua presença causa um incômodo importante na mulher. Descubra quais são as suas causas e o que pode ser feito para melhorar a dor.

Neurite intercostal na gravidez: o que é e como reduzi-la

Última atualização: 09 abril, 2023

Algumas mulheres têm dor no peito semelhante à neurite intercostal durante a gravidez. É uma condição rara que geralmente aparece em estágios avançados da gravidez. No entanto, a principal causa desse distúrbio não foi estabelecida, dificultando o tratamento preciso.

Neste artigo vamos nos concentrar em investigar quais informações estão disponíveis até o momento e quais são as possíveis fontes que podem estar envolvidas no desenvolvimento dessa neuropatia. Da mesma forma, tentaremos revisar quais opções de tratamento existem para neurite intercostal na gravidez e quais são seus riscos.

Neurite intercostal da gravidez como entidade própria

Há um dilema em relação ao nome da condição. Na neurite intercostal há um processo inflamatório que compromete um nervo torácico que desencadeia a dor. No entanto, na gravidez, o mecanismo envolvido não é a inflamação.

É por isso que alguns autores propuseram que o nome que deveria ser usado para esse distúrbio é “nevralgia torácica gravídica”. As razões são duas:

  1. Em primeiro lugar, estabelece-se uma diferença com a neurite tradicional, cuja causa é bem conhecida.
  2. Por outro lado, destaca-se que é uma condição que ocorre em mulheres grávidas.

O que se sabe sobre a origem da dor no peito na gravidez?

Por ser uma condição rara, os estudos sobre ela são escassos. Até agora, a verdadeira causa da dor no peito na gravidez não foi estabelecida.

No entanto, existem várias hipóteses que tentam explicar a predisposição que existe nas mulheres grávidas para desenvolver neurite intercostal. Nós as analisamos.

A gravidez causa várias mudanças. Entre elas, algumas estão associadas a doenças e desconfortos que aparecem nesse período.

Dor devido ao alongamento das fibras

Uma dessas teorias é que o útero em crescimento causa o alongamento progressivo das fibras nervosas. Isso resulta na ativação dos receptores de dor, gerando a condição. A aceitação dessa hipótese baseia-se no fato de que a neurite intercostal associada à gravidez desaparece algumas horas após o parto.

Por outro lado, isso poderia explicar porque a dor é mais frequente em fases avançadas da gravidez. Da mesma forma, é um argumento válido para justificar porque a neuropatia afeta mais os níveis mais próximos do abdômen em crescimento do que os nervos da região torácica superior.

Compressão da raiz sem que exista uma hérnia

Outra razão pela qual se acredita que a neuralgia torácica apareça em algumas mulheres grávidas é a compressão mecânica do nervo quando ele emerge da coluna vertebral. Esse aprisionamento é resultado da ação aditiva de vários fatores típicos da gravidez.

Entre eles estão os seguintes:

  • Acentuação da lordose lombar para contrariar o aumento de peso na região abdominal e, assim, poder modificar o centro de gravidade do corpo.
  • Retenção de líquidos decorrente do aumento do volume sanguíneo, o que predispõe os tecidos moles ao redor da coluna a apresentarem um leve inchaço.

O resultado é que o estiramento causado pela hiperlordose e o aumento de tamanho das estruturas paravertebrais deixam menos espaço para os nervos terem um trajeto livre. Entretanto, o fato de a neurite intercostal não acometer a maioria das gestantes sugere a existência de outros fatores envolvidos.

Flacidez dos ligamentos devido à ação da relaxina

Por fim, o aumento da relaxina, molécula associada ao aumento da flexibilidade das articulações do quadril e dos ligamentos para promover o parto, pode estar envolvido na origem da dor. Para alguns autores, a relaxina também tem efeito sobre os discos intervertebrais, tornando-os mais vulneráveis ao estresse.

No entanto, esta hipótese é controversa.

Quais sintomas a neurite intercostal causa em mulheres grávidas?

A neuralgia gravídica causa dor de intensidade moderada a intensa em um lado do tórax. Isso geralmente segue o caminho de um ou dois nervos intercostais e uma sensação de dormência pode aparecer na área.

Mais frequentemente, torna-se perceptível nos níveis inferiores da região torácica. Ou seja, aqueles mais próximos do abdômen.

Uma característica distintiva da neurite intercostal na gravidez é que a palpação dos músculos das costas aumenta a sensação dolorosa. Da mesma forma, mudanças de posição podem piorar o sintoma. A dor pode até dificultar a movimentação da mulher.

De um modo geral, a neurite intercostal afeta mais frequentemente o lado direito do tórax. Além disso, algumas mulheres relatam que a dor se irradia para o abdômen.

É importante notar que os sintomas desaparecem após o parto. No entanto, é comum que essa condição se repita em futuras gestações.

Diagnóstico de neurite intercostal na gravidez

Os sintomas são suficientes para estabelecer o diagnóstico.

É possível que o médico considere que seja necessária uma eletromiografia. Não para confirmar qualquer achado, mas para descartar uma causa mais complexa.

Diagnósticos diferenciais que deve-se ter em conta

É importante descartar patologias em que haja uma lesão nervosa subjacente. Lembremos que na neurite intercostal da gravidez não parece haver dano ao nervo, mas a condição é secundária a um efeito mecânico.

No entanto, assumir essa condição em um primeiro momento, sem recorrer a uma avaliação adequada, pode mascarar outros distúrbios mais graves:

A dor tende a se localizar nas partes inferiores do tórax, próximo ao abdômen.

Opções para reduzir a neuralgia torácica gravídica

Em geral, considera-se que a melhor terapia para a dor neuromuscular associada à gravidez é a sua prevenção, através do condicionamento físico prévio à gravidez. No entanto, essa recomendação é de pouca utilidade para um paciente que já tem a doença e para aqueles que têm predisposição a desenvolvê-la.

Na literatura, o tratamento se reduz à indicação de paracetamol e ao uso tópico de lidocaína emplastro na área afetada, como último recurso para redução dos sintomas. Entretanto, esse manejo analgésico deve ter acompanhamento médico rigoroso, devido aos possíveis riscos.

O uso de amitriptilina também é sugerido naqueles casos em que a dor é intensa. Mas é preciso individualizar cada caso. A relação risco/benefício deve ser ponderada diante de medicamentos como este, que não se mostraram seguros na gravidez de seres humanos.

Pode interessar a você…



Source link

x